Capítulo 3 – Vingadora Majestosa (Parte 2 – Final)


Lamark percebe o tom de frustração em Meltse. Ele olha novamente para o arco. Tinha sido uma ferramenta supostamente criada apenas com o intuito de caçar algo para aquele dia e não dormirem com fome. No entanto, por algum motivo aquele humano dedicou toda sua habilidade para fazer uma arma formidável. Ele entendia o descontentamento de Meltse.

— Talvez seja melhor abandonar isso aqui e fazer uma armadilha para coelhos… — murmura o ferreiro, completamente desapontado.

Continuar lendo

Anúncios

Capítulo 3 – Vingadora Majestosa (Parte 1)


A noite cai. Nem sáurio nem humano dizem uma palavra. Na verdade nenhum dos dois queria falar nada. Mas precisavam sair dali o quanto antes. E juntos seria muito mais fácil.

Vendo que o humano não iria tomar nenhuma iniciativa, Lamark decide ser o primeiro a falar:

— Bem… — começa, sem saber ao certo o que falar — Não podemos ficar aqui por muito mais tempo. Precisamos chegar em Flussevir o mais breve possível. — Lamark não estava gostando daquilo… soava muito duro e ríspido. Meltse apenas vira o rosto na direção do sáurio, mas nada diz.

Continuar lendo

Capítulo 3 – Oração aos Mortos (Parte 3 – Final)


Meltse observava tudo em silêncio. De alguma forma sabia que aquilo era algum tipo de ritual para honrar aos mortos… Não gostava daquilo… Significava que o sáurio tinha a certeza absoluta da morte de todos os que ficaram para trás. Se os sáurios, livres, armados, não tinham chances de sobrevivência… Não queria concluir o pensamento.

Ouvia as palavras estranhas pronunciadas pelo sáurio. Soavam importantes. Um mantra que deixa Meltse em estado de transe. Flashes de memória do ocorrido vinham de forma aleatória…

Continuar lendo

Capítulo 3 – Oração aos Mortos (Parte 2)


As horas se passam sem que nenhum dos dois, nem humano nem sáurio, se movesse. O céu se escurecia, anunciando a chegada da noite. Um dia que nunca seria esquecido.

Lamark já não tinha mais lágrimas para chorar, embora tristeza e raiva ainda estejam tão fortes quanto nunca.

Ainda tinha um dever a cumprir: sepultar os mortos.

Continuar lendo