Capítulo 3 – Oração aos Mortos (Parte 1)


Lamark desliga todos os sentidos, focando numa única palavra: sobreviver! Só assim ele conseguiria cumprir sua promessa com seus companheiros de armas…

Deveria ter ficado! Mas… Assim a morte deles seria em vão… Doía muito no jovem sáurio agir daquela maneira… covarde? Não, não era covarde. No fundo sabia que era a única coisa sensata a fazer…

Continuar lendo

Capítulo 2 – Raposas e Demônios


O duque de Fafalar pouco teve tempo de se recuperar de um encontro estressante quando outra pessoa ainda mais odiosa, embora aliada, aparece. Era o demônio de fogo Kiro.

Uma criatura maligna e insana, cujas lendas diziam ser tão antiga quanto a própria terra. De pele pétrea avermelhada e chifres, parecia uma versão hedionda de um elfo das montanhas.

Continuar lendo

Capítulo 2 – Raposas e Lobos


A cerca de um mês atrás, no topo da Grande Árvore de Fafalar, acontecia um encontro entre duas criaturas que se odiavam…

— Senhor! Sir Lionel solicita uma audiência.

“Não acredito que ele está de novo aqui?”, pensa Grael. “Não se cansa, esse Lobo?!”

— Pode deixá-lo entrar…  — responde o duque, com voz enfadada.

Continuar lendo

Capítulo 2 – O Auspício da Floresta (Parte 4 – Final)


Raramente Raffleia se surpreendia com alguma coisa, mas o que tinha acabado de ouvir estava muito além de suas expectativas! Ainda havia lobos naquele continente!!! Passa tanto tempo absorta em pensamentos que não percebe Seire ficar acuada e insegura.

Um cutucão de Arth a tira de seu transe:

— Oh! Desculpe-me, senhorita Seire. Não queria preocupá-la! Por Regigleph!!! — e bruscamente abraça a garota-lobo.

Continuar lendo

Capítulo 2 – O Auspício da Floresta (Parte 3)


Seire estava perplexa com o que via a sua frente. Uma cidade inteira em cima de árvores! Não sabia o que era mais impressionante, se as árvores em si, ou suas cores surreais…

Seu olfato apurado destacava um aroma agradável, peculiar. Não conseguia discernir exatamente o que era: um aroma único daquele lugar. Era calmo, aconchegante e… selvagem? Sim… Havia um quê excitante e assustador também.

Continuar lendo